Analora é a nova galeria de artes decorativas de Lisboa

Por: Diana Ferreira

A mais recente galeria de arte de Lisboa chama-se Analora e situa-se na Rua de São Bento, no coração da capital. Com portas abertas desde setembro, a galeria reúne criações únicas de artistas do mundo, incitando ao convívio e à partilha de conhecimento e de experiências.

Anne-Laure Pilet é a fundadora da marca e a alma por detrás de Analora. Depois de vários anos de viagens e descobertas, escolheu Portugal para acolher um projeto que tem como objetivo apresentar artistas, artesãos e criadores que sensibilizam e que criam peças únicas e cheias de história. “A minha seleção foi idealizada para trazer poesia, originalidade e requinte”, revela Anne-Laure, acrescentando: “Todas as peças são de grande significado, concebidas em torno da sua própria identidade, ou de um conceito.”

Vinte anos de experiência numa das melhores agências de publicidade de Paris permitiu-lhe o contacto com diretores criativos e fotógrafos de renome, mas  também as “viagens, culturas, know-how” cultivaram o “gosto pela originalidade e elegância”. Assim, Anne-Laure Pilet concretizou em Lisboa um espaço idealizado para a exposição de peças de arte únicas, vindas de todas as partes do mundo, sem fronteiras, que motivam a discussão e partilha de conhecimentos.

Anne-Laure Pilet ©D.R.

Desde setembro que é possível visitar o novo espaço e conhecer peças de vários artistas conceituados, como António Vasconcelos Lapa, Almerinda Gillet, Atelier MacQuiche, Fabienne Auzolle, Giacomo Alessi, Le Cabinet de Porcelaine e Yumé. Ainda este mês, a galeria passará a contar também com obras do ceramista português Thomas Mendonça. Todas as peças de arte são criações únicas e feitas à mão, maioritariamente de cerâmica, mas também de porcelana, barro e arenito, estando disponíveis para compra.

Os planos de Anne-Laure para os próximos meses incluem continuar a dinamizar a galeria, ao introduzir novas peças de cerâmica, lâmpadas e esculturas. A Analora pretende dar a conhecer artistas do mundo e projetos de grande dimensão e, ainda, juntar artistas e curadores no espaço, possibilitando momentos de convívio e partilha de interesses.